Exames necessário ao tratamento

Independente do tipo de tratamento, alguns exames deverão ser realizados. Para os pacientes de fora, sugerimos que os façam em suas cidades, em laboratórios e profissionais conceituados.

Obs.: Os exames são válidos por um ano. Para realizar outro tratamento dentro desse prazo, não precisa repeti-los.

EXAMES

(validade de um ano), com grupo sanguíneo e fator Rh (não precisa jejum), exigida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), para todos os envolvidos no tratamento (marido, mulher, doadoras de óvulos, doadores de sêmen e doadoras temporárias de útero), através dos seguintes exames no sangue: HBs-Ag, Anti-HBc (IGM), Anti-HCV, HIV 1 e 2 (ELISA), VDRL (LUES), HTLV I e II, Zika virus (IGM), Grupo sanguíneo e fator Rh.

As mulheres que produzirão os óvulos, para que possam ser estimuladas com doses de hormônios adequadas, devem realizar os seguintes exames de sangue (não precisa jejum): Dosagens hormonais (FSH, LH, Estradiol, Progesterona e Prolactina), realizadas entre o 1º e o 3º dia do ciclo menstrual (contado a partir do 1º dia da menstruação). Devem ser repetidas aproximadamente uma semana depois, no mesmo laboratório, entre o 8º e o 10º dia do mesmo ciclo (validade de dois anos).

A mulher que fará transferência de embriões para o útero, deve ser submetida a um exame endoscópico conhecido por HISTEROSCOPIA (validade de um ano), para termos certeza de que as condições estão adequadas e em alguns casos, até mesmo fazer pequenas correções. A maioria dos histeroscopistas prefere realizar o exame entre o 11º e o 14º dia do ciclo, mas podem abrir exceção, para que nossas pacientes de fora, tendo agendado previamente, façam a histeroscopia quando chegarem ao Rio de Janeiro. O exame é realizado sem anestesia, em menos de meia hora, no consultório do histeroscopista, pois que é indolor na maioria dos casos. Quando há necessidade de fazer pequenas correções (remoção de um pequeno pólipo, desfazer uma sinéquia ou redimensionar o canal cervical, estenosado por alguma fibrose, por exemplo), pode ser um pouco desconfortável, mas nas mãos de um especialista experiente, o desconforto não dura mais que alguns segundos.

Espermograma ou seminograma (exame do sêmen) do parceiro ou do doador, com no mínimo 3 e no máximo 7 dias de abstinência sexual, contados por noites de sono. Hoje em dia, em consequência da automação dos laboratórios e da dependência de convênios e planos de saúde, que pagam pouco, os espermogramas são geralmente automatizados (realizados por máquinas). O espermograma tradicional, realizado ao microscópio, por um profissional especializado e experiente, ainda é o melhor. Por ser laborioso, hoje só é realizado nas clínicas especializadas em reprodução assistida, pois dependem de um bom exame para o êxito dos tratamentos.

Em nossa clínica, para realizar espermograma (exame do sêmen) ou processamento do sêmen para técnicas de reprodução assistida, opcionalmente o sêmen poderá ser coletado fora da clínica e trazido, observando-se alguns cuidados:

1 – Agendamento prévio, pois o profissional que processará e analisará o material, deverá estar disponível para iniciar o trabalho logo após a coleta ou entrega;
2 – Recomenda-se abstinência sexual (ausência de ejaculação) por no mínimo 3 e no máximo 7 dias, contados por noites de sono. Abstinência inferior a 3 dias costuma produzir amostras com pequena concentração de espermatozoides. Embora a concentração de espermatozoides aumente com abstinência superior a 7 dias, por conta do envelhecimento os espermatozóides podem apresentar baixa motilidade e maior percentual de formas anômalas;
3 – O frasco para a coleta pode ser apanhado na clínica ou adquirido em farmácia, específico para cultura de urina;
4 – Antes de iniciar a coleta por masturbação, recomenda-se urinar e fazer uma higiene da glande, para evitar a contaminação do sêmen por bactérias ou fungos;
5 – Deve-se deixar o frasco aberto, em posição de fácil acesso, visando coletar todo o ejaculado no frasco, evitando perdas;
6 – Se parte do ejaculado cair fora do frasco, para evitar contaminação, deve-se desprezar essa parte, mas fazendo-se uma estimativa do volume perdido, em relação ao volume coletado (exemplo: perda de 10%, 20%, etc.);
7 – Fechando-se o frasco, deve-se dar uma baforada dentro, tentando deixar lá o gás carbônico da expiração, pois assim os espermatozoides permanecem móveis por mais tempo. O ar atmosférico tem aproximadamente 20% de oxigênio e a alta concentração de oxigênio danifica as membranas dos espermatozoides. O ar da expiração tem apenas 16% de oxigênio, concentração bem superior a encontrada no corpo humano (5 a 7%), mas menos prejudicial que a atmosférica;
8 – Anota-se a hora da coleta;
9 – O normal é que, imediatamente após a ejaculação, o sêmen tenha uma consistência, digamos que meio gelatinosa e costuma se liquefazer após alguns minutos. Observar então a consistência do material imediatamente após a coleta, para informar na clínica, pois lá chegando, provavelmente já estará liquefeito;
10 – O transporte deve ser feito com o frasco na temperatura mais próxima possível do corpo humano. Deve vir dentro do bolso, se trazido pelo paciente ou dentro do soutien, se trazido pela mulher;
11 – O tempo máximo entre a coleta e a entrega do material, não deve ultrapassar 90 minutos.

Nosso espermograma é bem detalhado e realizado pelos métodos tradicionais, incluindo morfologia estrita de Kruger, pesquisa de anticorpos anti-espermatozoides, teste de sobrevida, análise fotocinética da motilidade, etc. Não trabalhamos para planos de saúde.

– Para homens azoospérmicos (sem espermatozoides na ejaculação), solicitamos:

– Dosagens hormonais (FSH, LH, Testosterona Total, Prolactina e Estradiol, no sangue (não precisa jejum).

– Ultrassonografia com doppler de bolsa escrotal: Realizado em laboratórios ou clínicas de imagem, visa a avaliar tamanho e consistência dos testículos, bem como a presença de varicocele, hidrocele, cistos e etc.

Exames opcionais:

É um estudo realizado no sêmen para detectar e quantificar os espermatozoides com DNA fragmentado na amostra. É realizado através da técnica TUNEL (terminal deoxynucleotidyltransferase-mediated dUTP nick end labeling), escolhida devido à grande sensibilidade que oferece, possibilitando precisão no diagnóstico através da análise em microscópio de fluorescência.
A técnica revela que muitos espermatozoides aparentemente normais (com boa motilidade e dentro dos padrões morfológicos normais segundo kruger) podem possuir DNA fragmentado.
A fragmentação do DNA pode ocorrer por diversos fatores genéticos, etários e ambientais (drogas, medicamentos, álcool, fumo, poluição, febre, infecção, inflamação, dieta, radiações, radicais livres, varicocele, etc.).
Amostras com mais que 20% dos espermatozoides com DNA fragmentado produzem menores taxas de gestação e maiores taxas de aborto.
O indivíduo que estiver fora da normalidade (mais que 20% dos espermatozoides com DNA fragmentado) pode fazer uso de antioxidantes como a vitamina C e E, por pelo menos três meses antes de realizar a fertilização, usar métodos, técnicas ou equipamentos que aprimorem a seleção dos espermatozoides ou utilizar espermatozoides extraídos do testículo, que sendo mais jovens, têm menores índices de fragmentação. Muitos alimentos possuem propriedades antioxidantes, como por exemplo: mamão, brócolis, laranja, cenoura, tomate, salsa, morango, noz, espinafre e repolho. O tratamento com acupuntura (2 a 3 sessões semanais) também é valido.

O material pode ser coletado em um laboratório, numa clínica ou mesmo na residência, observando-se os mesmos cuidados que para a realização do espermograma, salvo a abstinência sexual que deve ser de 2 a 3 dias.

O material pode ser coletado em um laboratório, numa clínica ou mesmo na residência, observando-se os mesmos cuidados que para a realização do espermograma, salvo a abstinência sexual que deve ser de 2 a 3 dias.

© 2017 Clínica Bebê de Proveta. Todos os direitos reservados.

 Diretor Técnico: Dr. Antonio Magarinos, CRM 52 43787-3   Clínica Bebê de Proveta

 

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?